A poder das mães-atletas: porque ficamos mais fortes

Publicado por | maio 14, 2017 | Mente de corredor | Nenhum Comentário

Nada mais apropriado do que falar, em pleno domingo de Dia das Mães, num assunto bastante interessante: da força e do poder das mulheres que, após a maternidade, decidem seguir com seus treinos ou, em alguns casos, até começam a praticar alguma modalidade esportiva. E, claro, de como fazer para conciliar tudo isso. Como de praxe (e até porque faz parte do meu universo), focarei na corrida. Fiquem à vontade para estender o raciocínio para qualquer outro esporte, como natação, atletismo, bike, cross-fit, dança, lutas. O que seja.

Tenho total convicção de que ficamos mais fortes após dar à luz. Mesmo que não exista comprovação científica, acredito que, ao contrário do que muitos pensam, a maternidade pode fazer com que nos tornemos ainda melhores no que diz respeito ao desempenho. Minha experiência foi exatamente essa. Meu filho Francisco nasceu há pouquinho mais de 8 anos. Na época, eu tinha 32 anos. Já havia feito algumas maratonas. Pouco mais de um ano após seu nascimento, virei ultramaratonista. Colecionei, nesse tempo, vários troféus muito cobiçados. E tive a alegria de vê-lo me esperar na linha de chegada, ou, como nessas foto abaixo, correr os últimos metros na sua doce companhia.

Chico, em 2015, na finaleira dos quase 82km da TTT

Chico, em 2015, na finaleira dos quase 82km da TTT

Coração, mente e corpo fortes

Seguir a rotina de treino com um bebê em casa não é lá das tarefas mais fáceis. E o que é fácil nessa vida? ( : Para quem ainda não foi mamãe, saiba que, de início, o troço é punk. E daí mesmo que mora o segredo. Sempre se dá um jeito. Precisamos, obviamente, de ajuda para dar conta de tudo. Nessa hora, ter um companheiro e a família ajudando é primordial. Felizmente, tive essa sorte. Mas já conheci atletas que, mesmo sem todo esse aporte, conseguiram “se virar” para não abandonar os exercícios físicos quase que diários.

Sou extremamente a favor de que as mulheres tenham esse direito de seguirem com sua trajetória esportiva. Benefícios são inúmeros. Um dos principais, ao meu ver, tem a ver com o relaxamento e sensação de bem-estar. Quem diz que toda a gravidez e a maternidade é uma maravilha, está mentindo. Ficamos podres! Noites mal-dormidas, uma livre demanda de amamentação…e sair daquela rotina massante por algum tempo (uma hora por dia já é mais do que suficiente, no início) é questão de saúde mental, minha gente! Por favor! Sem contar a auto-estima. Mulher que “se emburaca” porque virou mãe é coisa do passado.

Brinco que, quando nossos filhos nascem, somos abduzidas por ETs. Vamos lá pra outro paralelo, onde ficamos sem saber onde estamos, que horas são, quem somos, pra onde vamos. É tanta emoção envolvida que dá uma tonteada. Quem diz que é tudo muito lindão e tranquilo tá metendo uma conversa fiada daquelas. Se é difícil? É. mas a vida deve e volta, sim, ao normal. O esporte ajuda (e muito) nessa retomada.

Muita calma nessa hora

Obviamente, não defendo aqui que tenhamos que sair por aí doidas e desvairadas nos primeiros meses de vida do rebento. Tudo tem seu tempo e respeitar o organismo – e as recomendações médicas, é claro – é essencial para um retorno seguro. No meu caso, voltei às competições quando ainda amamentava, quando o Chico tinha seis ou sete meses. Essa história de que “seca o leite” ou provoca rejeição do bebê por causa do ácido lático é conversinha pra boi dormir, ok? Ninguém vai retornar em ritmo frenético, correndo a 4 por 1! Com uma alimentação e hidratação adequada e sem excessos, é beeeem possível conciliar.

Segundo a Sociedade Brasileira de Medicina Esportiva, exercícios aeróbicos com intensidade moderada a forte (entre 40% a 75% do VO2Máx ou a 55% a 85% da freqüência cardíaca máxima) é seguro para a mãe que amamenta, eficaz no período pós-parto e não apresenta nenhuma alteração significativa no volume e composição do leite materno.

O condicionamento volta aos poucos, e esse caminho de formiguinha deve ser respeitado. A excelente notícia é que o corpo tem uma memória fisiológica, e logo que a rotina volta ao normal, a gente acaba tirando de letra esse tripé: maternidade + trabalho + treino. Os médicos, inclusive, recomendam que isso ocorra. E a corrida, nesse sentido, é maravilhosa: ajuda a eliminar toxinas, libera endorfina, ajuda na perda de peso e, importantíssimo: deixa longe a temida depressão pós-parto.

De volta aos pódios

Para quem leva essa “cachaça” mais a sério, só há pontos positivos. Quem teve uma gravidez tranquila, ganhou pouco peso e teve parto normal (no meu caso, engordei pouco mais de 8 quilos, nadava todos os dias quase 3 mil metros e não fiz cesárea), fica bem mais fácil. Em alto nível, exemplos não faltam. Um deles é a corredora inglesa Paula Radcliffe que, no início de 2007 deu a luz a sua filha Isla e, no final daquele ano, venceu a Maratona de Nova York (abaixo, na foto, aparece a atleta com a fofurinha no colo). Inclusive, ela teve outra menina pouco depois.

paula2

 

Claro que estamos falando de uma “monstra” do atletismo. A britânica é uma rara exceção (ela começou a trotar 12 dias depois do parto, algo nada recomendável do ponto de vista médico). Cito ela porque amo essa foto dela com a nenê no colo. Meio que emblemática. E poque toda corredora que se preze gostaria de ter só uma rebinha daquele pace dela ( ^:

No mundo real, nesse aqui das mortais, e não alienígena (kkkkkk), o tempo de retorno para a atividade física após o parto é muito relativo, pois cada mulher reage de uma forma à chegada do bebê ao mundo e a saída dele de dentro do corpo humano. Para umas o processo de recuperação é mais lento, para outras mais rápido.

Não vamos mentir: inevitavelmente, o destreinamento ocorre. Por mais que você tenha se mantido ativa, a carga esportiva foi reduzida. Você deve ter treinado em frequências cardíacas mais baixas e de forma mais leve para preservar a sua saúde e a do bebê. Sem contar com uma série de mudanças que acontecem no corpo durante esses nove meses e que persistem por algum tempo após o parto. São os hormônios, alteração de peso, mudança do centro de gravidade e afrouxamento ligamentar, por exemplo.

Contar com profissionais nessa tarefa de retorno aos treinos mais pesados é essencial, e foi o que fiz. Acima de tudo, o bom-senso. Passamos nove meses com o bebê dentro da barriga, e não é do dia pra noite que nosso corpo retornará ao “normal”.

O que garanto é que, do ponto de vista psicológico, dá pra dividir em duas fases qualquer mulher: antes e depois de ter filhos. Ficamos muito mais fortes, decididas. Não desistimos fácil. Toda vez que competi com o Francisco na minha vida visualizei seu sorriso quando cheguei com uma medalhinha ou troféu em casa. Para ele, eu sou uma campeã. Mesmo que não fizesse nada, creio que seria também. Mas prefiro desse jeito. No nosso mundo de faz-de-conta, sou uma Super-Mãe. E é esse exemplo que procuro deixar pra ele: quando a gente quer, vamos lá e fazemos.

Um lindo Dia das Mães a todas mulheres maravilhosas desse universo! <3

 

Deixe seu Comentário

Seu e-mail não será publicado.