Por Aí

Mountain Do 65K: relato de um desafio Insane

Publicado por | Por Aí | Nenhum Comentário
O atleta Neemias Alves de Campos, ao meu lado, foi um dos atletas cascudos da categoria Insane

O atleta Neemias Alves de Campos, ao meu lado, foi um dos atletas cascudos da categoria Insane

Segunda-feira, dois dias após enfrentar uma prova pra lá de dura – a Mountain Do da Lagoa da Conceição -, trago, além do lindo trofelão de primeiro lugar na categoria solo feminina (Insane, 65km), uma bagagem enorme de experiências que tentarei descrever em poucas linhas a seguir.

Como é de se esperar, uma ultramaratona é coisa de doido. Correr mais de 40 quilômetros já é algo dificilmente compreensível mesmo para atletas de longa data. Imagine, agora, trilhar bem mais do que isso numa sequência de terrenos diferentes, que vão da areia fofa à lama, passando por atoleiros repletos de macegas, pedras, pedregulhos e rochas à beira-mar, dunas, trilhas estreitas e um montão de outros solos complicados de firmar o pé sem sentir um arrepio na espinha. Pois então.

Mountain Do na Ilha da Magia é, como definiu o diretor da prova, Euclides Neto (Kiko), uma série de “pegadinhas” sem fim. Quando larguei lá no Lagoa Iate Clube (LIC), na Lagoa da Conceição, às 7h de sábado, jamais pensei que encararia uma pauleira sem fim. Achei que era uma prova “gourmet”, daquelas feitas pra passear, apreciar a vista e – pra quem gosta – fazer selfie pra postar no Instagram. Aham. Vai nessa.

O primeiro trecho, super na buena, fui tocando a 4min30seg/km sem nenhuma dificuldade a mais, mesmo com algumas ladeiras – afinal, há um mês, havia feito 60 quilômetros na Serra do Rio do Rastro, além de ter feito vários treinos de qualidade preparatórios, focando muito na força e potência muscular, essenciais para trechos íngremes.

E fui tranquila. Mochila nas costas, lotada de rango. Hidratação 100%. Segundo trecho, começam as trilhas no meio do mato. Eu respiro fundo, não dou bola pro sol que começa a estourar na cachola. E taca-lhe pau.

No terceiro, quarto, quinto e sexto trecho, muita dor e sofrimento pela variação de terreno, o que exigiu muita energia, paciência e experiência dos atletas – sobretudo os ultramaratonistas, que fizeram sozinhos a prova, como eu. Mas estava firme e confiante. Nada grave a registrar. Minha mente estava tranquila. Senti que era uma competição que exigia parcimônia e estratégia. Nos postos de transição, parava, me alimentava legal, parando no máximo 2 minutos para não perder muito tempo.

Quando dava, descia o sarrafo. Quando não dava, segurava o pé e estudava como firmar os pés e mãos nas trilhas mais difíceis para não escorregar, cair e botar tudo a perder.

No quarto ou quinto trecho, já comecei a ser ultrapassada por alguns atletas que tomaram a dianteira nas demais categorias (octetos, duplas e quartetos), o que deu uma animada – afinal, correr totalmente sozinha em lugar desconhecido não é lá uma experiência muy agradável.

Nos dois últimos trechos, a surpresa Kinder Ovo nada feliz: não passava nunca. Aqueles 22 quilômetros finais foram de matar. Mais de 6 horas de prova num acelera/trava/pisa em falso/pula/sobe/desce pesavam nas costas, destruíam as pernas e acabavam com a paciência.

Um final inesquecível

Uffff.

Respirei fundo. Como havia me informado sobre o grau de dificuldade dos trechos anteriormente, fiquei fria. E pensei em acabar a prova sem perder o primeiro lugar, tomado desde o início. Não sabia quem vinha atrás – só tinha certeza de que deveria cumprir a missão com dignidade, sem fraquejar.

Só que a Lei de Murphy insiste em nos acompanhar.

Lá pelo quilômetro 54, vislumbro um trecho bonitão duns 100 metros no qual poderia correr. Viva!!! E acelerei, sem pensar duas vezes. O solo, coberto por folhas secas, encobriu uma raíz de árvore. Senti algo prender meu pé direito. E voei, esbelta e toda fia da mãe, naquela linda terra catarinense. Caí de queixo, bati o ombro esquerdo num pancadão violento. A mochila de hidratação que levava chegou a soltar das costas.

Daí que vem a parte louca: um senhorzinho que carregava umas sacolas vinha atrás e viu meu tombo. Eu lá, estatelada no chão, e o véinho me estende a mão. Eu numa sequência de “aiaiaiaiaiiaiaiaiaiaiaaaaaaaaaaaaaaai”, falando trocentos palavrões, com cãimbra generalizada até no fio do cabelo, e ele, sereno, tranquilo:

“Ei, levanta, moça! Foi nada não!”

E eu:

“Tô sangrando muito? Olha aqui, olha aqui!” (apontando pro meu queixo, minha mão, meu joelho).

O bicuíra-samurai sentencia:

“Nada não! Nada não! Vai firme que vem gente lá atrás querendo te pegar!”

Vai entender? O fia da mãe não deu a mínima bola. Sério. E, pensando agora, a atitude dele foi determinante. Se ele fizesse drama – e se eu fosse na onda -, capaz de desistir ali. Porque o tombo foi muito sério. Tanto que subi no pódio de tala, Tive que ir no hospital depois da prova, esperar 3 horas para fazer raio-X e ter certeza de que não havia quebrado a mão esquerda.

O que sei é que, naquela altura do campeonato, desistir não era opção válida.  Sabia que, nesse caso (não estava tonta, nem desidratada, com as pernas aguentando ainda), seria uma besteira. Como o tiozinho avaliou, com sua simplicidade. Ele viu que, se eu estava com forças pra mandar toda uma geração pro inferno, aguentaria o tranco.

mounta

Trofelão na mão e sorriso no rosto

O final da história todo mundo sabe: cruzei a linha de chegada em primeira posição com um sorriso no rosto, emocionada e orgulhosa, muito  orgulhosa de mim mesma. De todos os 60 atletas que concluíram a prova na categoria individual (10 mulheres, 50 homens), fui a 14ª pessoa a chegar, atrás de 13 homens. Baita resultado!

Fico muito grata e emocionada pela oportunidade maravilhosa que Deus me deu de conseguir superar esse tipo de desafio com serenidade e brilho nos olhos.

Não sou corredora de trilha.

Não sou corredora de montanha nem de morro.

Não sou corredora de asfalto nem de pista.

Sou, única e simplesmente, uma apaixonada pela corrida – que, para mim, é a síntese mais perfeita do que é a vida.

Sem preconceitos, rótulos ou quaisquer frescuras.

( :

Um abraço e até a próxima!

 

Pódio das cinco primeiras colocadas na categoria solo - 65 km

Pódio das cinco primeiras colocadas na categoria solo – 65 km

 

 

 

 

Desafio Samurai: a vida como ela é

Publicado por | Por Aí, Sem categoria | Nenhum Comentário

serra_2016_4

Escrever sobre a minha quarta participação na Mizuno Uphill Marathon – prova que ocorre desde 2013 na Serra do Rio do Rastro, em Santa Catarina – é uma tarefa árdua. São tantas emoções que nem Robertão Carlos seria capaz de descrever na suas centenas de letras. E dessa vez, tentarei explicar o que é encarar duas vezes a imponente estrada considerada “a mais linda do mundo”, vide eleição virtual realizada recentemente.

SERRA

Para quem não sabe, esse ano escolhi encarar o Desafio Samurai – ao todo, 67 km -, divididos em insanos 25km matutinos (de Lauro Müller a Bom Jardim da Serra) e 42km vespertinos/noturnos (de Treviso ao topo de Bom Jardim novamente). Duas “pernas” recheadas de subidas intermináveis. Poucos ousam subir (e descer) de veículos motorizados. Porque, meu fio, você enxerga a bunda da caranga no retrovisor. De moto, cansa. Imagine a pé. Enfrentando um clima nada previsível, numa região onde são registradas as temperaturas mínimas do País.

Participo desse evento desde a sua origem. Compareci religiosamente em todos os anos. Havia subido até ontem antes da 7h da manhã, 126km nas três edições – 42km em cada, ficando em 5º lugar em 2013, 3º lugar em 2014 e 2º lugar em 2015. E ontem acordei às 7h disposta a acumular mais essa porrada de quilômetros num só dia. Me sentia bem, havia treinado bastante, dentro das possibilidades – já que, lembrando, não sou atleta profissional e encaixo a planilha numa rotina de casa-filho-família/coordenação de academia e grupo de corrida/faculdade de Educação Física.  Pois então. Sem chorumelas. Estava prontíssima!

Aprendizado número 1: parcimônia

Larguei nos 25km controlando muito. Ficava olhando no GPS para jamais puxar demais o ritmo, com a certeza de que pagaria o preço depois. E fui segurando. A intenção era fazer abaixo de 2h15min a primeira “perna”, que fiz com perfeição. Encerrei em terceiro lugar geral feminino, numa corrida consistente e no controle, algo complicado para meu perfil, que ama “sentar a bota”. Acabei orgulhosa da minha capacidade de concentração, o que me deixou inteira para enfrentar a maratona que viria a seguir.

Descansei, encontrei amigos no ginásio de Treviso e me alinhei às 3h da tarde para a segunda largada. Pernas muito inteiras, pulmão idem – apesar de ter enfrentado quase que apenas subidas na primeira parte. E fui. Confiante. Só que a matemática não é tão simples quando falamos em ultramaratona. Comecei a subir muito bem e senti, lá pelo quilômetro 8, falta de água. Para quem estava largando sem o peso dos 25km nas costas, talvez esse detalhe não tenha sido determinante. Porém, para atletas acostumados a hidratar com regularidade como eu (o que acho imprescindível), o bolo começou a desandar nesse ponto, ainda no início.

Desidratei. O tempo abafado pesou a ponto de perder rendimento drasticamente. E o efeito dominó pegou: náuseas. Não entrava suplementação. Glicemia baixando. Pressão despencando. Cansaço extremo. Pernas não respondendo. E se tem algo que sei é conhecer meu organismo. Quando lá pelo quilômetro 20 da maratona “preteou os óios da gateada” (a visão ficou turva), vi que algo deveria ser feito. E a melhor atitude seria subir a serra de carro.

Parei num posto de hidratação. Dezenas de pessoas me ajudaram. Falavam palavras de incentivo. Queriam me levar junto. E eu, já apática, dizia que não dava. Comi, tomei Coca-Cola, glicose. E fui até o quilômetro 38. Talvez desse para terminar (não no tempo limite de 6h30min do Desafio Samurai). Porém, decidi que não valia a pena. Pressenti algo ruim. Não sei explicar. Ninguém sabe. Mas resumo assim: em respeito a mim, em primeiro lugar. Em respeito a minha família, em segundo lugar. E em terceiro, a todos que já me viram chegar e não reconheceriam ver cruzar o pórtico uma Daniela destruída e sem forças para vibrar ao cortar a desejada fita.

Saldo positivo: ao todo, percorri 60km. E hoje, escrevendo esse texto, parece que corri um “21km pegadinho na Beira-Rio”. ( ;

Há uma diferença brutal entre superação e burrice. Desculpem os fãs dos “atletas-que-chegam-vomitando”.

Brilho eterno de uma mente com lembranças

serra_2016_2

Pela primeira vez, larguei uma prova. Após 20 anos correndo. E digo: fiz o certo. Hoje estou inteira, pronta para enfrentar um calendário bem bacana de ultras pros próximos seis meses (ficarão sabendo logo!). Tento sempre fazer do limão uma limonada e pensar de que nada é por acaso. Hoje, tenho o orgulho de dizer que jamais deixei alguém me ver passar mal numa prova – o que ao meu ver, depõe contra esse esporte tão lindo -, e que minha tentativa de passar um exemplo bonito e saudável tem dado bons frutos.

Minha frustração? Sei lidar com ela. Isso é fácil. O que não saberia é lidar com uma lesão ou sequela do desgaste excessivo. Entre três mulheres que puderam ter índice para encarar o Desafio Samurai, apenas a “alienígena” Letícia Saltori, da Equipiazza de Curitiba, conseguiu no tempo regulamentar de 6h30min para cumprir as duas pernas. Eloiza Testolin Rodrigues, da Inspire Assessoria Esportiva de Caxias do Sul (tchó!) conclui os 67km acima do tempo, mas está de parabéns pelo empenho e dedicação às corridas. Ambas moram no meu coração e são atletas exemplares, além de pessoas maravilhosas. Dessas coisas que só a corrida nos dão. <3

Agradeço a todos que me ajudaram nos dois percursos, tentaram me empurrar, levar de carrinho de mão, de guincho, mas amigos…tem dias que não dá! Hauhahaha! Prometo retribuir essa energia maravilhosa.

À equipe da Mizuno e da X3M, parabéns por mais um evento fantástico. É por isso que deixo minha família, meu trabalho em Porto Alegre e encaro a gincana. Para encontrar esse bando de “louco dentro das roupa!”. E como a trupe do Bernardo Fonseca e do Bruno Onezio pregam: “é muito mais fácil segurar um louco do que empurrar um bobo”. ( ;

Parabéns a todos atletas que encararam essa pedreira, seja nos 25km, nos 42km ou nos 67km. É pra poucos. E o que eu senti nesse final de semana não pode ser explicado num só texto. Somos uma “tribo” de loucos, sim, mas loucos pela vida. Essa gente que gosta de sentir o sangue correr na veia dessa maneira pode ser um objeto de estudo na NASA. Mas é essa adrenalina que nos move.

No frigir dos ovos (e eu amo omelete!), fica a sensação de que tudo é um aprendizado e, mais uma vez, confirmo que a corrida é a mais perfeita metáfora da vida.

A beleza da vida está nisso: na humildade de reconhecer nossos erros e acertos.

Estamos aqui hoje porque muita coisa deu certo – mas muitas coisas deram errado.

Já pensou nisso?

Um forte abraço e até a próxima!

 

serra_2016_1

 

 

 

 

 

Canoa polinésia foi um dos momentos mais difíceis: 12km no mar revolto da Praia Vermelha

Rockyman 2015: uma saga para os brutos

Publicado por | Por Aí | Nenhum Comentário

Dois dias após retornar do Rio de Janeiro, onde disputei o incrível Rockyman - maior competição multiesportiva do País -, ainda sinto o cansaço de dois dias intensos de competição. Convidada pelo capitão Chico Santos, montanhista experiente, fiz parte da equipe carioca Terra de Gigantes, formada por atletas de ponta nas suas diversas especialidades: surf, skate, BMX, mountain bike, corrida de montanha, maratona e canoagem. Uma gauchinha perdida lá no meio das feras!

Equipe quase completa. Da esquerda para a direita, os apoios "Lobinho" e Edgar, eu, Chico Santos, Amarildo Ferreira e Kaique Milani

Equipe quase completa.
Da esquerda para a direita, os apoios “Lobinho” e Edgar, eu, Chico Santos, Amarildo Ferreira e Kaique Milani

 

O que vivi nas 48 horas de aventura jamais sairá da cachola. Os flashes passam na cabeça como num filme. Desde que cheguei, foi emoção à flor da pele: tantos as positivas quanto negativas. E o que mais ficou evidente – e é sobre isso que irei enfocar nesse texto – é a definição que temos de atleta. Conheci gente de todo tipo. Cinco das 20 equipes que disputaram o Rockyman 2015 eram estrangeiras. Só “galo cinza”. Gente altamente qualificada, muitos deles atletas com índices olímpicos. Campeões de carteirinha. Embora, em meio a eles, alguns maus exemplos tenham surgido.

Um deles foi infiltrado por azar do destino justamente na Terra de Gigantes. Não citarei nomes, embora deveria. Um sujeito, selecionado a dedo para desempenhar nas provas de surf e de skate simplesmente decidiu não ir de última hora. E aí que começaram os problemas. Você imagina: viajar centenas de quilômetros para participar de um dos mais cobiçados eventos esportivos realizados em solo brasileiro e ter que se conformar com esse fato, indesculpável. É o tipo de atitude antidesportiva e antiética, que veio como uma notícia-bomba duas horas antes da largada oficial, no sábado, dia 7 de novembro. Como fazer? Todos da equipe, atletas e staff de apoio, não sabíamos como resolver o pepino. O cidadão simplesmente desligou o celular. Arregou. Nos deixou na mão. E estávamos sem atleta para duas importantes modalidades.

Conseguimos um skatista para o domingo. No sábado, tentamos preencher o furo, mas não chegamos a tempo de entrar no mar (gigante, por sinal, com mais de 2 metros de ondas na Barra) com um substituto. O que fazer? Lamentar. E seguir o baile. Não tem aquele ditado: “se não há solução, solucionado está”? Na prática, é assim mesmo que funciona.

Minha participação na maratona foi bem abaixo do esperado. Não bastasse o desfalque, sofri um tombo feio no dia anterior, resvalando e caindo de costas numa escada lotada de lodo – o que me deixou com várias escoriações, a coluna com um “ovo” e as costelas doloridas. Fui no arrasto. Mas cheguei. Isso não seria o que nos afundaria. Tivemos a impressionante participação dos campeões Kaique Milani (um dos melhores atletas de BMX do Brasil, que voou no Parque Radical de Deodoro, onde ocorrerão as Olimpíadas do Rio 2016) e de Amarildo Ferreira (veterano na mountain bike, pura garra e dedicação), além do capitão Chico Santos, que sempre arrasa nas corridas de montanha e ama uma pirambeira. Pra essa turma, tiro meu chapéu. Só gente fina, bem humorada e no estilo “topa todas”. Não tinha tempo ruim. Todos se ajudando, apoiando os nossos e demais integrantes e competidores…amigos que já entraram pro lado esquerdo do peito.

No domingo, a competição de skate, eletrizante, contou com a boa vontade de um atleta que estava “passeando” no bowl da pista Rio Sul e topou a roubada de mandar ver ao lado de feras como Felipe Foguinho e Raul Roger Magalhães Baracho. Um show de talentos que jamais presenciei!

Canoa polinésia foi um dos momentos mais difíceis: 12km no mar revolto da Praia Vermelha

Canoa polinésia foi um dos momentos mais difíceis: 12km no mar revolto da Praia Vermelha

 

Finalizamos remando 12 km juntos na canoa polinésia (uma das experiências mais loucas da vida, sem dúvida), correndo mais 13km rumo ao topo do Morro Chapéu Mangueira e descendo pela favela, em meio à comunidade – outro momento que me dá arrepios e que dificilmente viveria desse jeito se não fosse esportista. Nós lá, bem longe da primeira colocação, e uma menina puxa um coro, do alto de uma janela dum barraco:

- Já ganhou! Já ganhou!

Juro que fiquei com lágrima nos olhos. No fundo, no fundo, essa era a realidade. Apesar de todas as adversidades, todos tinham triunfado: acrescentamos, no frigir dos ovos, uma experiência indescritível no currículo.

Saio do Rockyman reforçando algumas de minhas várias convicções. Vamos a elas.

A primeira delas: para ser atleta, não basta praticar um esporte. É preciso dedicação, comprometimento, respeito e, além do corpo, uma cabeça saudável. Quando o cara nasce pra ser “loser”, não tem jeito. Pode treinar, participar de provas, até subir no pódio. Mas não vai longe. É o caso do nosso surfista furão, que deu um exemplo de como não agir – e está, ao meu ver, numa distância anos-luz de tal definição acima.

A segunda delas: é preciso dar o melhor de si, mesmo que as coisas estejam indo de mal a pior. Tem que ser bruto (na definição heróica da palavra). Não se acadelar com merreca. Tem dias bons, dias ruins, outros piores ainda. Eu poderia ter entregado o jogo e não completado a maratona, diante de um cenário tão intimidador – e das inúmeras dores do meu tombo. Mas fui até o final. Sabia que se não cruzasse a linha de chegada, não estaria cumprindo com minha palavra. E, como diz um amigo meu: “não é do meu biotipo desistir” (rsrsrsrsrs).

A terceira e última: somente o esporte nos proporciona experiências tão únicas. É preciso agradecer ao universo, a Deus, ou a sei lá quem você queira, pela oportunidade de ser atleta. Só porque corro, e dediquei anos e anos da minha vida à corrida, cheguei onde cheguei. É o tipo de experiência que nenhum dinheiro pode comprar. Só quem pratica algum esporte com tamanha paixão consegue entender do que estou falando.

Iria acrescentar uma quarta, mas essa não nem preciso repetir: a vida é boa. Acredite nela. ( :

 

 

 

Zica na maratona: quando tudo dá errado

Publicado por | Por Aí | Nenhum Comentário
Aquela sensação de que você deveria ter ficado em casa

Aquela sensação de que você deveria ter ficado em casa

Sabe aquele dia em que as coisas insistem em conspirar contra o pobre cidadão? Quando nada parece encaixar. Quando a maionese desanda. O pneu fura. Você não vê a hora de acordar no outro dia, para acabar com a zica? Pois esse dia – ou melhor, noite – foi ontem, na Maratona Caixa de Porto Alegre. A prova noturna (na qual levei o troféu de campeã no ano anterior) parecia um pesadelo, daqueles que costumam fazer você encharcar os lençóis.

Apesar de não ter a pretensão de ultrapassar feras como a multicampeã Rosa Jussara Barbosa ou Gracielle Pedroso, fui correndo sem medo até meados dos quilômetros 23 ou 24. Quando tudo parecia estar bom demais para ser verdade, vou passar num dos postos de hidratação e esbarro, não sei porque, numa das mesas. Dois dos carbogéis que carregava saltaram da cinta. Fiquei com apenas um para todo o restante da competição (sendo que um dos 4 que levei já havia tomado). Péssimo. Tentei não me abalar demais com o fato.

Dois quilômetros à frente, porém, o guampudo montou na garupa. Comecei a esboçar sintomas de hipotermia. Tremia feito bambu verde. E o pior ainda estava por vir: uma indisposição intestinal (prenunciando o famoso “churrio”, na língua tosca) me deixou extremamente incomodada. Não dava, não havia jeito de passar. Resultado: tive que parar três vezes nos matinhos da Beira-Rio. Sorte que estava escuro.

Notei que não só para mim o dia não estava pra peixe. Vi muitas pessoas parando para se aliviar. Pelo menos meia dúzia de amigos confessaram ter recebido a visita do famigerado “piriri”. O que fazer? Maldita maldição!

Nunca, nessas duas décadas de corrida, passei por tamanho sufoco. Mesmo que jamais tenha abandonado uma prova, algo me dizia que deveria obedecer o corpo e sair pela tangente. O problema é a cabeça-dura aqui obedecer. Fui “escutando os sinais” e afrouxei o pé total. Pensei: completar, apenas completar, na boa, sem passar mal. Vamos ver se dá.

E deu. Cruzei a linha de chegada dos 43.200 metros do percurso (sim, erraram a marcação – corremos um quilômetro a mais) na quarta posição, com pouco mais de 3h20min no cronômetro. Que situação. Mas enfim, foi o que deu.

Taí o que deu pra levar pra casa - 4º lugar no pódio geral feminino

Taí o que deu pra levar pra casa – 4º lugar no pódio geral feminino

A conclusão? Tem dias que não dá. Mesmo que você treine, tenha experiência, vá com fé, animado, tenha “sangue nos óio” e tantas outras qualidades.

A vida é isso aí: feita de altos e baixos, de certezas e incertezas.

Saber tirar proveito e aprender com cada um desses momentos é essencial.

Vamos pra próxima!

* Parabéns a todos que completaram a Maratona Caixa do Rio Grande do Sul na noite desse sábado. E um “puxão de orelhas” na Latin Sports, que não entregou medalhas para os concluintes dos 43,2 quilômetros (confirmei no meu Garmin e no de muitas outras pessoas). Eu não dou lá tanta importância, mas penso em quem fez sua primeira maratona, treinou duro para tanto, e chegou em casa com um papelzinho chinfrim tentando justificar tal vacilada. Não sei se foi a fábrica de medalhas, o caminhão da transportadora, o Zé da Esquina. O fato é que pegou bastante mal.

Uma pena. Outro desrespeito aos atletas é errar o percurso: ninguém achou legal ter que fazer mais de 1.000 metros além dos 42,1. Não estamos falando de 200, 300 ou 600 metros. É um quilômetro de diferença. Francamente.

 

Após mais de 43 quilômetros de prova, essa foi a medalha.

Após mais de 43 quilômetros de prova, essa foi a medalha.

 

 

 

Mizuno Uphill Marathon 2015: missão ninja concluída

Publicado por | Por Aí | 3 Comentários
Vestígios das três edições da Uphill Marathon: dois troféus e três medalhas de Survivor

Vestígios das três edições da Uphill Marathon: dois troféus e três medalhas de Survivor

Inacreditável. Essa é a palavra que resume o que vivi na terceira edição da maratona mais difícil do País, a Mizuno Uphill Marathon, realizada na Serra do Rio do Rastro, em Santa Catarina (RS) no último sábado, 1º de agosto. E eu explico o porquê dessa afirmação.

Não é apenas porque são 42,1 quilômetros de corrida morro acima, num ambiente nada acolhedor. Nem porque você deve vencer 256 curvas para chegar no topo, situado a exatos 1.418 metros acima do nível do mar, com um ganho de elevação de 2.425 metros. Nem porque, dessa vez, a corrida foi realizada no final da tarde e ao longo da noite, quando você mal sabia onde estava pisando.

O que jamais esquecerei – e o que torna essa missão “ninja” – foi meu estado de ansiedade e insegurança ao saber o que enfrentaria pela terceira vez, já que participei das duas outras edições, com o detalhe de que havia corrido uma maratona há exatos seis dias. Isso mesmo. No domingo anterior, havia concluído a Maratona da Cidade do Rio de Janeiro, e minhas pernas estavam ainda moídas. Mesmo que tivesse “segurado” a onda e feito a prova em 3h19min, sabia que vencer a insana Serra do Rio do Rastro era loucura nessa altura do campeonato. Uma verdadeira insanidade.

Nessa hora que vem a força do que, acredito, seja o maior patrimônio de todo corredor: a mente. Essa força interna que nos move e faz com que a gente siga adiante e supere os limites. Porque sim, há muito mais entre o céu e a terra e uma planilha de treinos e uma sessão de tiros na pista. Não compreendemos. Apenas sentimos.

O primeiro fator para que o plano “duas maratonas em seis dias” desse certo foi a parceria de amigos que viajaram para a odisseia comigo. Não citarei os nomes. O que sei é que mais de uma dúzia deles transformou o que seria um martírio numa festa jamais vista. Brincamos, pulamos, tiramos onda um do outro desde o dia anterior da competição, deixando tudo leve e repleto de vibrações positivas.

O segundo grande propulsor foi o contexto da Uphill. Todo o clima criado pela organização da prova (Mizuno + X3M, impecáveis em todos os quesitos) entrou em harmonia com a energia dos mais de 500 atletas inscritos, vindos de todas as partes do Brasil. A cidade de Criciúma, ao Sul de Santa Catarina, virou QG de gente apaixonada, simplesmente fissurada pelo esporte. Tenho certeza da extrema relevância da corrida na vida dessa gente que aceitou encarar o desafio. Se inscreveu, lutou por vagas que duraram cinco minutos na internet para esgotar. Pagaram para “sofrer”. Porque sabiam que, mesmo que seja história pra boi dormir, acreditamos piamente no tal de pote de ouro no final do horizonte.

Não posso deixar de citar meu “lastro” de corredora para que eu não só finalizasse – mas faturasse, mais uma vez, um dos cobiçados troféus da prova. Dessa vez, figurei como vice-campeã, atrás somente de Carla Moreno, triatleta profissional. Carla, que tem a minha idade (38 anos), já participou de duas olimpíadas (Sidney/2000 e Athenas/2004) e de três Panamericanos. Só isso. Essa sim é lenda. Respeito total desde sempre por ela, que merece o lugar mais alto do pódio, sem nenhuma discussão. Finalizei o percurso em exatas 4h e 3 segundos, 13 minutos abaixo do ano passado. Dos 495 concluintes, fui a 43ª colocada – sendo 42 homens e uma mulher.

A PROVA

A prova, ao meu ver, foi a mais fácil das três edições, apesar de todas as circunstâncias. Isso falando em termos climáticos, não considerando o nível dos competidores – esse sim, foi o mais elevado. Tanto que foram batidos os dois recordes (Carla, em 3h40min, e Marcelo Rocha, em 3h12min). O clima estava perfeito (nada de vento, nada de chuva, nada frio, quente mas suportável). Diante das demais (frio na primeira e tempestade na segunda), barbada. Quem foi ano passado sabe do que estou falando.

A escuridão foi o diferencial – mas não considero um fator que possa ter atrasado a chegada de qualquer corredor experiente. Ainda mais se formos falar em montanhistas. Creio que não enxergar nitidamente o “dragão da Serra”, sobretudo a partir do quilômetro 30, ameniza a situação. Visualizar o que temos que, literalmente, escalar até a linha de chegada, em Bom Jardim da Serra, conforta bem mais.

Resumindo: a Uphill de 2015 foi perfeita. O astral da prova é indescritível. No sábado à noite, quando cruzei o pórtico, às 20h30, passei pelo corredor humano dos últimos 50 metros, fechei os olhos, abri os braços, com lágrimas nos olhos, e só pude agradecer: “obrigada, meu bom Deus”!

A todos que enfrentaram a Mizuno Uphill Marathon 2015, meus parabéns. Essa é pra quem é osso duro de roer.

Para quem deseja fazê-la, meu incentivo extra. Experimente. Valerá cada passada.

Não sei se posso me considerar uma “ninja”. Mas que senti um clima de “Karatê Kid” na chegada….ah, isso senti. No caso, o tal de Senhor Miyagi acenou positivamente com a cabeça. Missão cumprida, Dani San.

 

Podio

 

Maratona do Rio: bela, grande e para os fortes

Publicado por | Por Aí | 3 Comentários

RIOOO

Vinte e quatro horas após finalizar a Maratona Caixa da Cidade do Rio de Janeiro, realizada ontem, 26 de julho na Cidade Maravilhosa, relembro  tudo que vivi nas 3 horas e 19 minutos. A prova, considerada a mais importante do país, me deixou de boca aberta boa parte do tempo. Nunca senti tanta emoção correndo. Além da paisagem magnífica – corremos todo tempo contemplando a faixa litorânea -, há uma multidão vibrando nas ruas, numa festa imperdível e de arrepiar até o último fio de cabelo.

Ao todo, somente nos 42k, foram mais de 5 mil concluintes, número que coloca o evento no topo do ranking em solo brasileiro. No evento todo, são cerca de 26 mil pessoas, inscritas na maratona, meia maratona (21k) e Family Run (6km). A cidade congela para apreciar o oceano de gente de tudo quanto é tipo, dos iniciantes à elite que chega para dar show. A alegria, estampada no rosto de todos na linha de chegada, é mesclada com a expressão de dor ao longo do trajeto, nada “barbada” como  alguns imaginam.

Minha experiência foi incrível. Mesmo que não tenha feito um tempo megablaster (já que o convite para corrê-la ocorreu pouco tempo antes e coincidiu com outra prova do meu calendário), posso afirmar sem medo: a Maratona do Rio entrou para o meu coração como se fosse a primeira. Chorei em vários trechos. Como o do Túnel do Joá, quando visualizei o triatleta José Rosa das Neves levando seu filho, que nasceu com hidrocefalia, num carrinho. “Viva a amizade!”, gritava ele. Eu aplaudi. Visualizei a expressão de felicidade  do garoto, vibrante, e me fui com lágrimas nos olhos. Nessa hora, a força surge do nada. Quando você tenta desanimar, lá vem uma cena dessas: ou é turbinado pelo aplausos dos cariocas, ou “empurrado” pelas palavras de incentivo dos demais corredores. “Força, guerreira!”, ouvi muitas vezes. Noutras, morri de rir com tiradas como “tá doendo tudo mas tá bom demais!”. E não acreditei quando a triatleta Fernanda Keller falou “vamos lá! está muito bom o ritmo!” no quilômetro 17. Bem que ela podia aparecer no quilômetro 36, não?

Não sei descrever com maestria a sensação de entrar no corredor da linha de chegada, no Aterro do Flamengo. Você sai do ar. É tanta gritaria e zoeira que não se sente as pernas, nem os braços, nada. O coração quase pula pela garganta. E o pórtico demora a ser visualizado. Resumindo: os 42k da Maratona do Rio são grandões. Tão gigantes quanto a beleza da paisagem. Paisagem essa que ameniza, porém não isenta os atletas de muito esforço. É preciso ter pernas fortes e bastante treino.

divulgacao

Gostaria que todos pudessem ter o privilégio de conseguir levar para casa emoções como essas. Impossível não elevar as mãos aos céus e agradecer por ser maratonista. Ontem, ao olhar para aquele marzão maravilhoso, para aquela paisagem estonteante, fechei os olhos e lancei um “obrigada, meu Deus”. Como prega aquele ditado, “depois do quilômetro 35, não tem ateu”. No Rio de Janeiro, desde os primeiros 100 metros, impossível não crer que ele exista.

* Concluí a maratona em 3h19, figurando na 19ª colocação geral feminina e 2ª na categoria 35-39 anos, atrás da norte-americana Jamie Dawes. Fui a 14ª brasileira a concluir a prova. Ao todo, foram 1.164 mulheres que fizeram os 42k. O troféu virá pelo correio, em breve, já que não pude comparecer à cerimônia de premiação. Prometo que tirarei uma foto dele para vocês. ( :

Agradeço imensamente à Olympikus pelo convite para testar o modelo de tênis Rio 3, lançamento da marca.

Um obrigada a todos que torceram por mim e parabéns a todos que cumpriram seus objetivos no domingo. Aplausos extras aos organizadores, que foram impecáveis em todos sentidos.

 

De Chuí a Rio Grande: desafio de 227 km e 60 horas reúne feras das ultras

Publicado por | Por Aí | 5 Comentários

 

Cassino_Ultra_Race_Julio-66

No dia 12 de novembro, às 6hs, um evento terá largada na fronteira do Brasil com o Uruguai, na cidade do Chuí, a 525 quilômetros de Porto Alegre: trata-se da primeira edição da Cassino Ultra Race, uma arrojada corrida jamais realizada em solo gaúcho.

A ultramaratona – idealizada por Paulo Garcia, da Empresa Horizontes (sediada em Portugal), em conjunto com a médica e nutróloga gaúcha radicada no Rio de Janeiro Maria Vargas (referência nacional em corridas de aventura) – encerra na Barra de Rio Grande, totalizando exatos 227 quilômetros e 650 metros.

Os organizadores esperam “desafiar a capacidade de superação em ambientes extremos”. Segundo Garcia, a extensão de areia de Chuí até Rio Grande é mais desafiadora do que se possa imaginar.

- A diferença é que chamam de praia. E praia está associada ao ócio, ao prazer e ao descanso. Será bem ao contrário: solidão, muito vento e frio durante à noite são esperados. O sol escaldante também pode aparecer – resume.

Pontos de apoio serão fundamentais

Para enfrentar um ambiente tão desgastante, uma verdadeira missão de guerra será montada: a organização estima que serão mais de 100 competidores (entre eles, sul- americanos, norte-americanos e europeus, já que a prova dará créditos de 4 pontos para disputar a UTMB – Ultra Trail Mont Blanc, uma das mais desejadas do planeta). Ao todo, serão cinco pontos de apoio altamente equipados.

chui1

- Nesses locais, a organização fornecerá tudo o que o atleta precisa. Alimentos sólidos e líquidos serão disponibilizados, além de um mega aparato médico e de um time de especialistas em corridas extremas. Um dos diferenciais é que nenhum participante precisará de apoio de terceiros.

Nomes de peso já confirmaram presença na Cassino Ultra Race, como o campeão da BR 135 em 2014 Oraldo Romualdo, Ana Luiza Matos e Delino Tomé (fera em competições de 24 e 48 horas), além dos rio-grandinos Marcos Rosa, Márcio Iasniewicz e o para-atleta montanhista Vladmi Virgilio.

Para mais informações, acesse www.cassinoultrarace.com

Volta à Ilha: uma lição de parceria e espírito de equipe

Publicado por | Por Aí | Nenhum Comentário

 

A chegada triunfal, após 11h de prova

A chegada triunfal, após 11h de prova

 

Não sei a quanto tempo não fazia uma prova de revezamento. A última, que lembro, foi em dupla, numa TTT insana de 2011. Mas revezar com 7 atletas – o famoso octeto -. e dessa vez misto (5 homens, 3 mulheres), na maior prova do gênero da América Latina, a Volta à Ilha, em Florianópolis, realizada sábado na capital catarinense, deixou uma herança inesquecível.

Sou virginiana. Não entendo chonga da mironga de astrologia, mas sei que essa raça é braba. Perfeccionista ao extremo, intolerante aos defeitos pessoais (mas hipernaboa com o alheio), é um verdadeiro pandemônio.

Prefiro correr 7h a fio, sem parar, do que depender de uma logística que milagrosamente dá certo, sobretudo em distâncias como a competição em questão. Mas enfim…fazia muito tempo que não encarava algo similar. Fui intimada por um amigo a fazer três trechos (abrindo a e fechando a prova, totalizando menos de 20 km no total dos percursos).
Sinceramente: o que vale nessas provas é a festa.
O espírito do bem coletivo. É o conceito mais básico  (somos todos irmãos) na prática – e no sentido mais dinâmico possível.

Porque de corrida mesmo, há pouco.
Defini, toscamente, que é uma gincana.
Imaginei a próxima tarefa: quem coloca mais gente num Fusca?
Critico a falta de hidratação (vi 3 atletas desmaiando). Elogio o staff, supersimpático. A janta pré-prova (que daria pra correr 2 ultras folgado).

Mas os problemas existiram, sobretudo na chipagem, manual. Divulgaram um aplicativo com tempos e, um dia após, tudo estava diferente.
Se não há garantia de exatidão, por favor, não nos façam comemorar um resultado fictício. Num dos trechos, muitas equipes esperaram de 9 a 15 minutos por uma banana boat para seguir. E esse tempo sumiu. Só foi divulgado e premiado o que se viu na chegada: o resultado “visual”, sem descontos dos trâmites de logística.

Faço a crítica mas dou a sentença: prova de revezamento igual a essa….não tem igual!
Me diverti muito, fiz muitos amigos e relembrei o quanto é lindo esse espírito de equipe.

Todo mundo bem normal. Só que não...

Todo mundo bem normal. Só que não…

Parabéns a todos que completaram os 140km em sintonia. É para poucos!

Mizuno Uphill Marathon: o relato da insanidade

Publicado por | Por Aí | 8 Comentários

curvas da Serra do Rio do Rastro

Insana. Dura. Cruel. E magnífica. Assim eu posso resumir o que foi encarar pela segunda vez o desafio de subir a imponente Serra do Rio do Rastro, em Santa Catarina. Hoje, um dia após a prova patrocinada pela gigante marca esportiva japonesa, a Mizuno Uphill Marathon 2014, a sensação é de que uma patrola passou por cima de mim. Tenho algumas boas competições difíceis no currículo, incluindo provas de subida e ultratrail, como os 100 quilômetros da Patagonia Run. A Travessia Torres-Tramandaí, com seus 82 quilômetros na beira da praia, areia fofa e vento contra. Já corri 24 horas numa esteira. Mas essa foi de lascar.

O sofrimento começou cedo. Depois de dormir apenas 3 horas e tentar conectar meu cérebro com o horário de verão de sábado para domingo, acordei às 4h30 da madrugada. Tomei café e peguei a van com os demais jornalistas que cobriam a prova. Uma hora antes, perto das 6h, estávamos em Treviso, local onde o pórtico de largada foi montado. E também onde foi armado um temporal muito, mas muito feio, 20 minutos antes do estouro da boiada. Às 6h40, caía o mundo naquele vilarejo de 3.500 habitantes do Estado catarinense. A reviravolta de São Pedro dava o prenúncio de uma missão sinistra: sair daquele local e correr nada menos do que 42,1 mil metros, subindo cerca de 1.400 metros de altitude, até o topo da famosa estrada da Serra do Rio do Rastro, eleita como uma das mais belas do mundo.

Sul em Foco

Me posicionei junto a outros atletas batizados de “survivors” (sobreviventes), concluintes da primeira edição da prova, em 2013. Poucos dos 50 atletas convidados ano passado puderam (ou quiseram, por razões múltiplas e, ao meu ver, óbvias), repetir o feito. Ao som de “Higway to Hell”, de AC/DC, fomos fazer despertar o gigante. Lá foram os 300 loucos desvairados, a maioria sem ter a mínima noção do encontrariam pela frente. Incluindo eu.

blog_mizuno_uphill_2014_manuel_martins_01

Mesmo sabendo que era extremamente difícil chegar no topo, larguei forte. Sou péssima como montanhista e não treino em subidas com a frequência necessária para tal perfil de prova, e essa é a maneira que encontro de não deixar meu tempo ser tão ruim. Eu vou me ralar igual. Então tentei manter um pace de 4min/30 segundos (cerca de 13,5 km/h) no plano e nas descidas, e tentar implementar um ritmo de 10km/h nas subidas menores, até quando eu aguentasse. E isso durou pouco.

Uma dor nas solas dos pés lancinante, atormentante, me desconcentrou por volta do quilômetro 25. Não sei explicar o que exatamente ocorreu, mas posso descrever que é como se uma faca bem afiada e fagulhas bombardeassem as solas sem trégua. Conto nos dedos as vezes que parei para chorar e espremi os olhos de tanto sofrimento. Outros corredores me ofereciam sprays, balas de sal, davam palavras de incentivo. Mas eu não queria saber de nada. Só que aquilo passasse porque eu nunca, na vida, desisti no meio de uma corrida – e aquela não seria a vez.

df088cd6ca392ace1dbc8f9ad9a93f0d (1)

No quilômetro 30, em Lauro Müller, no pé da montanha, a tragédia estava feita. Simplesmente acabada, pensei em pedir arrego. E um milagre aconteceu: as dores nos pés amenizaram um pouco. Resolvi seguir e enfrentar o pior, pois é ali que a corrida começa de verdade. Os 12 quilômetros finais são para gente grande. Só subidas, com curvas em cotovelos, e desta vez, para piorar, com chuva e vento que, pelos meus cálculos e de outros colegas, chegava a 90 km/h. Placas chumbadas no concreto voavam. Correr era impossível em alguns momentos. A água gelada que descia da serra devia medir cerca de 3 graus. A cena, sem exagerar, era de terror e pânico.

Mas é aí que há a divisão “dos homens e das galinhas”, como diz um amigo meu.

Fiquei com raiva. “Ou eu subo essa joça ou eu não me chamo Daniela”. Fala sério. Que baita ameaça! Enfim, é aquela briga mental ferrenha. Esqueci o ritmo, o relógio, o pé congelando, o frio…só não esqueci da ventania porque não dava. Corria agachada, o que não adiantava porcaria nenhuma. Caminhava uns trechos, corria outros…e os quilômetros foram sendo engolidos.

Quando enxerguei o final da estrada, no quilômetro 40, uma sensação de conquista indescritível tomou conta. Pouco mais de um quilômetro adiante, um batedor me aguardava, anunciando o terceiro lugar feminino. A sirene da motocicleta foi acionada. Comecei a desabar em choro. O policial brinca: “vai lá, tu é a terceira mulher, vai ganhar uma rapadura!”. Eu tive forças para gargalhar.

Cruzei a linha de chegada em prantos, de boca roxa e com uma hipotermia – fui para a ambulância com 34,6 graus de temperatura, o que ocorreu com vários outros atletas. Cheguei depois de duas “monstrengas” da montanha, Letícia Saltori Mirlene “Mika” Picin, legítimas “Hammers”, enquanto eu, aqui, sou aquele fusqueta de asfalto.

A sensação hoje é de que sou boa de perna, mas melhor ainda de insistência. Ser osso duro assim de roer deve ser algo a ser estudado. Digo o mesmo para boa parte que chegou lá em cima, onde a ventorréia derrubou até banheiro químico e o pórtico de chegada.

É…a Uphill 2014 deixou um rastro de lágrimas. Isso foi o detalhe, talvez, que tenha feito toda diferença. Quanto pior, melhor? Não sei. Mas que essa sensação de conquista e superação tá difícil de tirar da cabeça, tá.

107_2034-uphill-2014-30

* Parabéns a todos que enfrentaram o desafio e à organização da prova, impecável.

 

 

Meu dia de coelha

Publicado por | Por Aí | 5 Comentários

Mizuno Half Marathon

Pela primeira vez, tive a grata experiência de ser “coelha” – marcadora de ritmo ou pacer, num corredês mais limpo – no domingo que passou. A convite do amigo Sérgio Rocha, do Corrida no Ar, corri os 21km da Mizuno Half Marathon implementando o ritmo de 4min30seg/km ao lado do maratonista Claiton Lenz, ajudando os competidores a concluírem o trajeto em 1h35min.

O que eu achei? Simplesmente incrível. Muito diferente de competir, ser coelho é ser uma referência e uma segurança para os atletas. Não estamos ali para bater recordes ou para subir no pódio. Muito menos para passear. Ser marcador de ritmo implica na doação pela causa e, principalmente, numa imensa responsabilidade. Afinal, pacer não pode quebrar, não pode reclamar. Tem que incentivar o tempo todo e ficar de olho na prova como um todo: indicar os pontos de hidratação e possíveis obstáculos também é uma missão esperada.

Na minha opinião, provas como essa, promovida pela gigante japonesa, ganham muitos pontos ao oferecer essa opção de luxo para os inscritos. Além de mim e do Claiton, mais dois casais marcaram dois outros ritmos diferentes (para 1h45min e 2h). Quer coisa melhor do que correr sem ter que ficar olhando toda hora pro GPS, tendo certeza que está fazendo a coisa certa?

Para quem nunca ouviu falar, o uso do pacer é bem comum em treinamentos longos, como aqueles para maratonas e ultramaratonas. O atleta preocupa-se apenas em correr, deixando todas os itens de apoio e monitoramento para essa pessoa, que estará sempre ao seu lado – na maior parte das vezes, de bike. Mas em corridas entre “grandões”, isso já deu muito xabu: se o atleta se sentir prejudicado pela utilização de um pacer alheio, pode entrar com um recurso logo após o término da prova para que os organizadores tomem as medidas cabíveis, caso este item esteja no regulamento. Compreensível.

Mas nesse domingo, o jogo foi limpo: ao cruzar a linha de chegada, abraçar o pessoal que correu (ou tentou correr) e ouvir depoimentos como o de um dos atletas em certos momentos (“se não fosse por vocês, não estaria aqui”)  é de arrancar lágrimas dos olhos. Com uma nitidez absurda, vi mais uma vez o quanto a corrida, apesar de muitas vezes ser um esporte solitário e individualista, é mais linda e intensa ainda quando praticada no coletivo.

Mesmo nunca ter visto qualquer um dos corredores que seguiram nossa camiseta fosforescente escrita 1:35, vibramos no final como velhos parceiros de guerra. A alegria de sentir na pele essa alegria – a intensa alegria da vitória e da conquista alheia – me deixou dúvidas do que é melhor: competir ou ser coelha? Na dúvida, eu fico com as duas opções!

Quero parabenizar a todos que conseguiram superar seus limites, com ou sem a ajuda dos marcadores. Para mim, foi um dia que não sairá tão cedo da memória.