maratonista

Correr é aprender a sofrer

Publicado por | Mente de corredor, Sem categoria | Nenhum Comentário

A frase pode parecer um mantra de masoquista. Calma. Não pense que todo corredor é um sofredor por natureza. Deixe explicar minha teoria.

Corro há quase duas décadas, continuamente. Isso não quer dizer um mês sim, outro não. Falo de treino diário, suado, faça chuva, faça sol. Inverno ou verão. Com céu de brigadeiro ou tomando canivete nas paletas. O que me dá um respaldo suficiente para resumir (toscamente, ok), o que é esse esporte para mim. Se fosse escolher três palavrinhas, tascaria de prima: “aprender a sofrer”. Sim. Porque não pense aí você, que vê um maratonista de longa data rodando feito lebre, que o negócio é fácil e “está no DNA”.

Alguma dúvida do perrengue?

Alguma dúvida do perrengue?

Embora há inúmeros estudos comprovando a influência dos genes paternos e maternos na nossa eficiência biomecânica e energética, jamais poderemos esquecer do que está na base de tudo, e que – ao meu ver, tem TODA diferença. É a capacidade de tolerarmos a dor e seguirmos adiante. Mesmo nos dias ruins.

Esses dias, por acaso, li um artigo muito interessante na revista Gracie Mag, falando sobre os ensinamentos para os lutadores de jiu-jitsu (que admiro muito). No texto, uma citação chamou atenção:

“Acostume-se com a adversidade. Treinar cansado, sem vaidade e sem pensar no resultado, faz parte do caminho do guerreiro. Em breve, isso será normal para você e fará toda a diferença numa eventual competição. Entender como você se porta cansado vai ajudar no seu autoconhecimento”.

Precisa falar algo mais?

Finish-line-image

Resiliência – a “arte de se f*** e seguir em pé, resumindo – segue norteando toda a base do bom treinamento. Qualquer atleta que se preze, amador ou profissional, aprende (na marra ou não), que saber aguentar no osso o tranco é a chave do sucesso. Há dias ruins, dias bons, dias péssimos e outros nem queremos comentar de tão sofríveis. E é por isso mesmo que tem graça. Se fosse tão barbada, qualquer um corresse uma maratona como vai no supermercado comprar bananas…

A meritocracia do maratonista é um patrimônio valioso. Todos que já correram 42.195 metros sabem do que estou falando. Não menosprezando as distâncias menores – afinal, os velocistas estouram as coronárias por um motivo muito nobre. Independente da distância, tempo ou qualquer outro parâmetro, estamos falando aqui de superação construída diariamente, mental e fisicamente.

Na manjada e inevitável metáfora da corrida com a vida, mais uma afirmação que faço sem pestanejar: os mais fortes triunfam.

Quem disse que viver seria lomba abaixo, com vento a favor?

É vento contra. Lomba acima.

Mas a gente guenta.

Pode mandar mais, que estamos com muita sede de vida – e de corrida, até o fim dos nossos dias!

* Keep Running!

Bons treinos a todos. ( ;

 

 

A poder das mães-atletas: porque ficamos mais fortes

Publicado por | Mente de corredor | Nenhum Comentário

Nada mais apropriado do que falar, em pleno domingo de Dia das Mães, num assunto bastante interessante: da força e do poder das mulheres que, após a maternidade, decidem seguir com seus treinos ou, em alguns casos, até começam a praticar alguma modalidade esportiva. E, claro, de como fazer para conciliar tudo isso. Como de praxe (e até porque faz parte do meu universo), focarei na corrida. Fiquem à vontade para estender o raciocínio para qualquer outro esporte, como natação, atletismo, bike, cross-fit, dança, lutas. O que seja.

Tenho total convicção de que ficamos mais fortes após dar à luz. Mesmo que não exista comprovação científica, acredito que, ao contrário do que muitos pensam, a maternidade pode fazer com que nos tornemos ainda melhores no que diz respeito ao desempenho. Minha experiência foi exatamente essa. Meu filho Francisco nasceu há pouquinho mais de 8 anos. Na época, eu tinha 32 anos. Já havia feito algumas maratonas. Pouco mais de um ano após seu nascimento, virei ultramaratonista. Colecionei, nesse tempo, vários troféus muito cobiçados. E tive a alegria de vê-lo me esperar na linha de chegada, ou, como nessas foto abaixo, correr os últimos metros na sua doce companhia.

Chico, em 2015, na finaleira dos quase 82km da TTT

Chico, em 2015, na finaleira dos quase 82km da TTT

Coração, mente e corpo fortes

Seguir a rotina de treino com um bebê em casa não é lá das tarefas mais fáceis. E o que é fácil nessa vida? ( : Para quem ainda não foi mamãe, saiba que, de início, o troço é punk. E daí mesmo que mora o segredo. Sempre se dá um jeito. Precisamos, obviamente, de ajuda para dar conta de tudo. Nessa hora, ter um companheiro e a família ajudando é primordial. Felizmente, tive essa sorte. Mas já conheci atletas que, mesmo sem todo esse aporte, conseguiram “se virar” para não abandonar os exercícios físicos quase que diários.

Sou extremamente a favor de que as mulheres tenham esse direito de seguirem com sua trajetória esportiva. Benefícios são inúmeros. Um dos principais, ao meu ver, tem a ver com o relaxamento e sensação de bem-estar. Quem diz que toda a gravidez e a maternidade é uma maravilha, está mentindo. Ficamos podres! Noites mal-dormidas, uma livre demanda de amamentação…e sair daquela rotina massante por algum tempo (uma hora por dia já é mais do que suficiente, no início) é questão de saúde mental, minha gente! Por favor! Sem contar a auto-estima. Mulher que “se emburaca” porque virou mãe é coisa do passado.

Brinco que, quando nossos filhos nascem, somos abduzidas por ETs. Vamos lá pra outro paralelo, onde ficamos sem saber onde estamos, que horas são, quem somos, pra onde vamos. É tanta emoção envolvida que dá uma tonteada. Quem diz que é tudo muito lindão e tranquilo tá metendo uma conversa fiada daquelas. Se é difícil? É. mas a vida deve e volta, sim, ao normal. O esporte ajuda (e muito) nessa retomada.

Muita calma nessa hora

Obviamente, não defendo aqui que tenhamos que sair por aí doidas e desvairadas nos primeiros meses de vida do rebento. Tudo tem seu tempo e respeitar o organismo – e as recomendações médicas, é claro – é essencial para um retorno seguro. No meu caso, voltei às competições quando ainda amamentava, quando o Chico tinha seis ou sete meses. Essa história de que “seca o leite” ou provoca rejeição do bebê por causa do ácido lático é conversinha pra boi dormir, ok? Ninguém vai retornar em ritmo frenético, correndo a 4 por 1! Com uma alimentação e hidratação adequada e sem excessos, é beeeem possível conciliar.

Segundo a Sociedade Brasileira de Medicina Esportiva, exercícios aeróbicos com intensidade moderada a forte (entre 40% a 75% do VO2Máx ou a 55% a 85% da freqüência cardíaca máxima) é seguro para a mãe que amamenta, eficaz no período pós-parto e não apresenta nenhuma alteração significativa no volume e composição do leite materno.

O condicionamento volta aos poucos, e esse caminho de formiguinha deve ser respeitado. A excelente notícia é que o corpo tem uma memória fisiológica, e logo que a rotina volta ao normal, a gente acaba tirando de letra esse tripé: maternidade + trabalho + treino. Os médicos, inclusive, recomendam que isso ocorra. E a corrida, nesse sentido, é maravilhosa: ajuda a eliminar toxinas, libera endorfina, ajuda na perda de peso e, importantíssimo: deixa longe a temida depressão pós-parto.

De volta aos pódios

Para quem leva essa “cachaça” mais a sério, só há pontos positivos. Quem teve uma gravidez tranquila, ganhou pouco peso e teve parto normal (no meu caso, engordei pouco mais de 8 quilos, nadava todos os dias quase 3 mil metros e não fiz cesárea), fica bem mais fácil. Em alto nível, exemplos não faltam. Um deles é a corredora inglesa Paula Radcliffe que, no início de 2007 deu a luz a sua filha Isla e, no final daquele ano, venceu a Maratona de Nova York (abaixo, na foto, aparece a atleta com a fofurinha no colo). Inclusive, ela teve outra menina pouco depois.

paula2

 

Claro que estamos falando de uma “monstra” do atletismo. A britânica é uma rara exceção (ela começou a trotar 12 dias depois do parto, algo nada recomendável do ponto de vista médico). Cito ela porque amo essa foto dela com a nenê no colo. Meio que emblemática. E poque toda corredora que se preze gostaria de ter só uma rebinha daquele pace dela ( ^:

No mundo real, nesse aqui das mortais, e não alienígena (kkkkkk), o tempo de retorno para a atividade física após o parto é muito relativo, pois cada mulher reage de uma forma à chegada do bebê ao mundo e a saída dele de dentro do corpo humano. Para umas o processo de recuperação é mais lento, para outras mais rápido.

Não vamos mentir: inevitavelmente, o destreinamento ocorre. Por mais que você tenha se mantido ativa, a carga esportiva foi reduzida. Você deve ter treinado em frequências cardíacas mais baixas e de forma mais leve para preservar a sua saúde e a do bebê. Sem contar com uma série de mudanças que acontecem no corpo durante esses nove meses e que persistem por algum tempo após o parto. São os hormônios, alteração de peso, mudança do centro de gravidade e afrouxamento ligamentar, por exemplo.

Contar com profissionais nessa tarefa de retorno aos treinos mais pesados é essencial, e foi o que fiz. Acima de tudo, o bom-senso. Passamos nove meses com o bebê dentro da barriga, e não é do dia pra noite que nosso corpo retornará ao “normal”.

O que garanto é que, do ponto de vista psicológico, dá pra dividir em duas fases qualquer mulher: antes e depois de ter filhos. Ficamos muito mais fortes, decididas. Não desistimos fácil. Toda vez que competi com o Francisco na minha vida visualizei seu sorriso quando cheguei com uma medalhinha ou troféu em casa. Para ele, eu sou uma campeã. Mesmo que não fizesse nada, creio que seria também. Mas prefiro desse jeito. No nosso mundo de faz-de-conta, sou uma Super-Mãe. E é esse exemplo que procuro deixar pra ele: quando a gente quer, vamos lá e fazemos.

Um lindo Dia das Mães a todas mulheres maravilhosas desse universo! <3

 

O maratonista de Kichute

Publicado por | Gente que corre | Nenhum Comentário
Valdo1

Dois dias depois de seu aniversário de 77 anos, Valdomiro participará mais uma vez da Maratona Internacional de Porto Alegre, que ocorre dia 12 de junho. A comemoração, segundo ele, “ficará após cruzar o pórtico de chegada”

No ano em que o primeiro homem correu a lendária Maratona de Boston abaixo de 2h30 min (o norte-americano Ellison M. “Tarzan” Brown, com 2:28:51), nascia, quase dois meses depois, no dia 10 de junho, um dos mais longevos maratonistas da capital gaúcha. Valdomiro Siegieniuk, 76 anos, é uma figura notável. Impossível não sorrir ao vê-lo de manhã bem cedinho, de camiseta molhada, cumprindo mais um de seus sagrados treinos.

Já tinha mirado ele inúmeras vezes em provas de rua e nos longões da Beira-Rio. No mesmo passinho , devagar e sempre. Sem firula, tênis da moda ou qualquer parafernália. Aliás, sua primeira maratona, aos 50 anos de idade (a de Porto Alegre), foi disputada com um…Kichute. Sim, aquele tênis horroroso, misto de chuteira com sei-lá-o-quê, criado na década de 70 – e terror dos ortopedistas.

Mesmo que ninguém recomende correr 42 quilômetros com calçado similar, é por esse e outros detalhes que Valdomiro merece um capítulo a parte na história das corridas de rua da cidade. Pela sua simplicidade e leveza de ser, pela perseverança e atitude perante a vida. Ao invés de reclamar da idade, ele muda o curso e vai pra rua vestido apenas com a vontade insaciável de sentir o vento no rosto e a endorfina correndo nas veias.

Na semana passada, o relógio marcava 6h58. Esperava meu grupo de corrida chegar para treinarmos em frente ao Praia de Belas Shopping. E tive a sorte de esbarrar com Valdo. Encerrava seu treino, iniciado há mais de uma hora. Sim, ele acorda às 4h, come “frutas e respectivas farinhas” e sai para a rua às 5h30. “Com minha mulher preocupada comigo, pois ainda é noite”, não esquece de salientar, bem-humorado.

Nossos olhares se encontraram e fomos metralhando perguntas um ao outro. Ele iniciou o papo:

“E aí, tá fazendo quanto hoje?”

Eu respondo:

“Não, não, só tô esperando ainda o pessoal chegar pra correr. Só um trotinho hoje!”

Preferi não perguntar quanto ele já havia rodado, mas sem dúvida muitos mais do que faria no dia. Falamos sobre a Maratona de Porto Alegre, perguntei com quantos anos ele estava, como era bom acordar cedo pra correr…e, claro, não perdi a oportunidade de clicar uma fotinho pra me exibir ao lado do amigo, de quem sou fã.

No final, saiu essa entrevista, feita por e-mail. Acham que a jornalista aqui perderia a oportunidade de contar essa história contagiante? Jamé! A ideia é incentivar quem “acha que está velho pra começar a correr”, acha mil justificativas pra não desgrudar a buzanfa do sofá ou, simplesmente, deseja encontrar uma inspiração para seguir acreditando no poder desse lindo esporte.

Seu Valdomiro, taí uma figura encantadora. Espero chegar na sua idade com a metade de sua disposição e vitalidade. ( :

ENTREVISTA – Valdomiro Siegieniuk, 76 anos, maratonista

Valdo4

Valdo emocionado ao cruzar a reta final na Maratona de Chicago

Santa Corrida – Quando e porque começou a correr? 

Valdomiro Siegieniuk – Sempre gostei de correr, mas participar de corrida de rua foi mais tarde, a partir de 1980. Tudo surgiu a partir de uma aposta com guris mais jovens, que me desafiaram a começar. O início foi na pista do Parque Marinha do Brasil. A minha primeira Maratona foi a Internacional de Porto Alegre, em 1989. Eu tinha 50 anos de idade e corri com os tênis Kichute. Não tinha feito nem um treino longo. Fiquei uma semana sem poder descer as escadas.

Santa Corrida – Quantas maratonas já disputou?

Valdomiro -  Já disputei 42 Maratonas no Brasil, mais a Supermaratona de Rio Grande, além de 13 Maratonas no exterior. No total, foram 53 provas nessa modalidade. Mas eu corro diversas distâncias, gosto de todas!

Santa Corrida – Como é a sua rotina de treinos?

Valdomiro – Hoje, treino sem planejamento.Levanto às 4 horas da manhã,como as minhas frutas com as respectivas farinhas e saio para treinar ao redor das 5h30min (com a minha mulher preocupada comigo, pois ainda é noite). Quantos quilômetros por dia? Depende da disposição, temperatura e se encontro alguém no meio do caminho.Em média, de 10 a 20 km.

Santa Corrida – Qual o significado da corrida para você?

Valdomiro – É a chama da vida. A satisfação de chegar em casa, tomar um banho e estar disposto e com bom humor o dia inteiro.

Santa Corrida – Que conselho você daria para quem quer iniciar nesse esporte?

Valdomiro -  Em primeiro lugar, fazer um exame médico. Depois, procurar um professor de Educação Física ou participar de um grupo de corrida para receber as orientações corretas. Da minha parte, sempre digo para nunca desistirem.O meu maior prazer é ler no Facebook, quando após uma maratona, o que um(a) atleta escreve: Valdomiro, graças a ti,eu sou um(a) Maratonista! Pois já incentivei muitos jovens a participarem.

Santa Corrida – Cite um momento marcante que você viveu nesses anos todo correndo.

Valdomiro - Foram muitas emoções vividas. Uma foi ao correr a Maratona de Berlim, quando combinei com a minha mulher (que sempre me acompanha, mesmo não correndo), que me esperasse na frente do hotel, pois ali seria o 15 km do trajeto. Ao atingir esse ponto,encontrei ela com um apito (foram distribuídos pela organização),parei, dei um beijo, um forte abraço e recebi calorosos aplausos do público presente.Continuei  correndo com lágrimas nos olhos.Terminei a prova ao redor de 3h35min. Isto foi em 2001, aos 62 anos de idade. Outro episódio marcante foi na Maratona de Budapeste, quando passava pelo ponto de troca do revezamento e fui saudado pelo locutor anunciando meu nome e dizendo que era brasileiro. Inesquecível!