posto de gasolina

Encontro no postinho

Publicado por | Contos de treino | 5 Comentários

Divulgação

Dia desses, fui fazer um longão nas bandas do Aeroporto Internacional Salgado Filho, local que escolho para rodar após um treino muito forçado, já que lá é bem plano e tranquilo.

Estava lá eu, faceira, sol a pino, ventinho batendo no rosto. Dei um alô pro Laçador, apreciei o pouso e decolagem de algumas aeronaves (sim, adoro fazer isso, feito turista do interior). Paro num posto de gasolina para tomar uma água e repor as energias com um carbogel. Logo que entro na loja de conveniência, deparo com um jovem de 30 e poucos anos que chamava a atenção pela enorme barriga. Devia pesar mais de 120 quilos (isso que estou sendo generosa). Ao lado dele, dois frentistas que descansavam degustando um cafezinho. No caixa, uma moça de boa aparência, que descontou os R$ 2 de de 10 pilas que entreguei. Pedi desculpas pelo estado da nota, afinal, há uma hora e meia ela estava sendo molhada por meu suor dentro do calção.

Nesse instante, o rechonchudo rapaz começa a tirar uma onda da minha cara, fazendo uma paródia do famoso hit de Anitta:

- Pre-pa-ra, que agora, é hora, dos gordos irem embora…

Todos riram. Inclusive eu, claro. Foi a deixa pra ele começar um papo:

- Pois então, taí, tu corre e eu como pastel. Cada um com seu esporte.

Como vi o deboche na cara do cidadão, que tirava um sarro na maior cara-de-pau, não pude deixar de responder, sem perder o bom humor:

- É, mas meu esporte sobe pra cabeça. O teu desce pra barriga.

Silêncio. Gargalhadas.

Ele segue defendendo a silhueta:

- Mas ó, eu me atraco numa costela bem gorda. E sou viciado. Viciado em cerveja. Mas tchê, não consigo correr até a esquina! Acho que eu morro!

Vi que ele tava dando uma deixa e comecei a falar que ele era novo, que se ele tivesse afim, podia ter um estilo de vida mais saudável. Poderia seguir comendo pastel e tomando cerveja, mas deixar degringolar daquele jeito tava brabo.

A moça do caixa se interessa, prontamente.

- Mas correr “perde” mais que caminhar?

Comecei a explicar, dum jeito bem simples, como funcionava. Quando vi, tinha umas cinco pessoas prestando atenção. Inclusive o da barriga, que deixou de tirar onda e passou a me fazer um monte de perguntas. Como fazia pra começar, quantos quilos podia emagrecer.

Fiquei uns 10 minutos no posto. Falei do meu blog, contei um pouco da minha história.

Saí dali feliz. Acho que plantei mais uma sementinha na mente desse pessoal – e assim já aconteceu inúmeras vezes. Quanta gente, de tudo quanto é canto, troquei ideia nesses anos e anos rodando pela cidade.

Se estiverem lendo, saibam que meu dia ficou diferente depois de encontrar vocês. Espero que o de vocês, também.