TTT 2015: treinos para quartetos e octetos

Publicado por | novembro 10, 2014 | Caminho das pedras | 2 Comentários

Para quem vai encarar a Travessia Torres-Tramandaí (TTT) em quartetos e octetos, pode parecer mais fácil do que em duplas ou individualmente. Porém, não é bem assim. A questão logística é altamente importante e deve ser observada com atenção redobrada. Fora isso, é preciso dar um gás no treinamento em condições similares aos que serão enfrentados no dia da prova e, claro, investir em treinos de qualidade a partir de agora.

Faltando menos de três meses para o evento, é hora de começar a turbinar a máquina e chegar em janeiro tinindo!

TTT2

 

Vamos para as dicas?

Essas foram preparadas pelo educador físico Claiton Lenz. Nessa semana, quem vai disputar em duplas ou solo terá as barbadas de Luciano D’Arriaga.

Não esqueçam de mandar suas dúvidas! Dá tempo de acertar nos detalhes que fazem toda a diferença. Lembre que planejamento é tudo.

Detalhes mais do que essenciais

Para aqueles que irão encarar os 81 km da TTT nas modalidades octetos e quartetos, as distâncias variam entre 6, 8, 10 ou 12 km para os octetos – ou a combinação de duas destas para os quartetos. Portanto a preparação para o octeto se aproxima muito de uma prova de 8 ou 10 km, já no quarteto fica parecido com uma prova de 16 km ou meia maratona.

Alguns fatores como areia, vento e sol acabam dificultando muito a vida dos corredores e quem correu as duas últimas edições sabe bem disso. Portanto, chegar nessa prova pensando em fazer o ritmo que está acostumado a fazer no asfalto é uma ilusão que não dura nem um quilômetro. Só pra constar, podem acrescentar uns 15 segundos no pace de vocês na areia, isso se não estiver ventando.

Faltando três meses para a TTT deixo algumas sugestões de treinos para aqueles que irão encarar este desafio e pretendem chegar bem condicionados. Eu acredito muito na variabilidade dos treinos, ou seja, variar o tipo de treino mas sempre considerando na qualidade deles.

Faltando pouco menos que três meses para a prova, há tempo para fazer uma ótima preparação, para isso deixo a seguir três tipos de treinos que costumo utilizar com meus alunos e algumas sugestões para quem vai correr a TTT. Claro que devem ser levadas em conta vários aspectos, tais como experiência do corredor, nível de condicionamento físico, lesões, etc. Além disso, cada corredor precisa ser analisado individualmente, pois o que funciona para alguns, nem sempre funciona pra os outros.

Treinos de ritmo:

É um treino que exige bastante dos corredores e, para mim, um dos mais importantes. Trabalha muito próximo do ritmo de competição e por isso normalmente indico que seja feito em local plano ou em pista. É muito importante o corredor estar bastante concentrado e mentalizar o ritmo proposto. Ele se aproxima muito do ritmo de corrida dos 10 km e auxilia muito na manutenção da velocidade dos corredores. Para os corredores de octeto sugiro treinos de até 10 km neste ritmo, pois a distância máxima ficará em 12 km, mas sempre aumentando gradualmente. Para quem irá correr os trechos menores não há necessidade de tanto, podendo ficar entre 7 e 8 km.

Treinos Longos:

Os treinos longos são de fundamental importância, tanto na parte fisiológica onde o corredor vai ter as adaptações necessárias quanto nos aspectos psicológicos de enfrentar treinos de maior duração. Com eles aprende-se a dosar o ritmo e trabalhar mentalmente para que o nosso cérebro não nos faça desistir quando enfrentamos algumas adversidades. Além disso, estes treinos são muito utilizados para testar a alimentação, hidratação, calçado, roupa, etc. que usaremos no dia da prova. Eles caracterizam-se por serem realizados num ritmo mais lento ou confortável (quem saberá precisar isso é o seu treinador) e podem variar entre 10 km para os trechos menores até 24 ou 26 km para os atletas do quarteto. Nestes treinos são percorridas distâncias maiores que no dia da prova (isso não se aplica aos atletas das duplas ou solo).

Treinos Intervalados:

O treino intervalado é extremamente eficaz na no ganho de condicionamento dos corredores, por isto ele tem um papel importantíssimo. É um treino duro, mas que traz excelentes benefícios, desde que sejam observadas e respeitadas suas características e estruturas. Ele consiste em tiros com distâncias e ritmos pré-determinados (num ritmo mais forte que o de competição, mas com distâncias menores obviamente) e com um intervalo de recuperação (descanso) entre eles. As distâncias, ritmos e intervalos desses treinos devem ser prescritas por um treinador que saberá identificar qual metodologia utilizar, seja tiros de 400 m, 800 m, 1000 m, 2000 m, etc. ou até mesmo uma combinação destes.

Por fim, cabe ressaltar que existem outros tipos e metodologias de treinamentos que também são eficientes e que podem se adaptar melhor em alguns indivíduos. Além disso, cabe salientar a grande importância de realizar alguns destes treinos “in loco”, ou seja, ir pro litoral gaúcho e encarar o nordestão de peito aberto com sol na cabeça (ou chuva como em 2014) pra chegar no dia 31 de janeiro na ponta dos cascos!

* Dicas de Claiton Lenz, educador físico

 

2 Comentários

  • Boas informações e estimulo para os atletas que irão a beira mar correr a TTT. Participei desta prova em 2013 em dupla. Correr na areia e com vento contra é bem diferente, como diz o professor acima. Uma boa prova a todos.

  • julio luis schneider disse:

    quero fazer solo a ttt que tipo de treino devo fazer, quero uma ajuda obrigado !!!